PEIC PERNAMBUCO: Endividamento recuou no final do primeiro semestre

0
Fonte: CNC

A Pesquisa Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) é realizada mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), visando traçar um perfil do endividamento, acompanhando o nível de comprometimento dos consumidores com dívidas e sua percepção em relação à sua capacidade de pagamento

Segundo recorte local feito pela Fecomércio-PE, o percentual de famílias com dívidas a vencer (cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, crédito consignado, empréstimo pessoal, prestação de carro e de casa) apresentou o terceiro mês em queda no estado de Pernambuco, saindo de 83,0% em março, para 82,8% em abril, 80,8% em maio e, finalmente, 78,6% em junho. Ou seja, uma redução total de 4,4 pontos percentuais (p.p.). O resultado de junho também recuou em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando o percentual chegou a 79,6%, que foi o maior percentual da série histórica para esse mês.

Configurando o quadro de endividamento em junho, observa-se 17,9% das famílias se declarando muito endividadas, percentual que era de 19,3% em maio. Já as famílias que declaram não possuir dívidas comprometendo o orçamento mensal passou de 19,2% em maio para 21,4% em junho. Os percentuais de famílias que se declararam moderadamente endividadas, bem como daquelas que se consideram pouco endividadas, por sua vez, reduziram levemente, ficando em 33,8% e 26,9%, respectivamente.

Pernambuco: Proporção de famílias segundo a dimensão do endividamento (% em relação ao total de famílias) – junho/2021, maio/2022 e junho/2022

Fonte: CNC.

Entre as famílias endividadas, o tempo médio de comprometimento com as dívidas e a parcela média da renda comprometida com as dívidas ficaram estáveis na passagem de maio para junho, encerrando o semestre, respectivamente, 7,8 meses e 30,1%. Ou seja, trata-se de um horizonte de aproximadamente 8 meses para quitação de compromissos financeiros – ultrapassando então o ano de 2022 – que se aproximam do montante de um terço do orçamento familiar.

Os resultados da PEIC em junho também apontaram, mais uma vez, redução no percentual de famílias que declaram possuir contas em atraso. Em março, a proporção era de 33,3%, caindo para 32,0 em abril, depois 30,2% em maio e, finalmente, 28,4% em junho. Com isso, verifica-se uma redução de 4,9 p.p.

Já o percentual de famílias sem condições de pagar as contas em atraso também seguiu recuando em junho, mas com uma velocidade menor em relação aos outros dois indicadores: era de 17,3% em março e chegou a 14,9% em junho (-2,4 p.p.).

Pernambuco: Percentual de famílias, segundo as situações de endividamento (valores em % do total de famílias) – janeiro/2021 a junho/2022

Fonte: CNC.

A evolução observada na PEIC-PE ao longo do segundo trimestre sugere que a queda no percentual de famílias endividadas tem estreita relação com o esforço daquelas com contas em atraso em quitar esses débitos. Esse movimento, segundo a CNC, vem sendo possível em função do avanço do mercado de trabalho formal no segundo trimestre e também às medidas de suporte à renda, como o aumento do valor do programa Auxílio Brasil em relação ao Bolsa Família, bem como a liberação dos saques extraordinários do FGTS, cujo calendário completo foi realizado até junho.

Com isso, as famílias vêm priorizando quitar os débitos em atraso, além de reduzir a demanda pelo crédito livre, o que vem levando o cartão de crédito e o cheque especial a registrarem queda na citação dos componentes da dívida entre as famílias. Em junho de 2021, 95,4% das famílias citavam o cartão de crédito, percentual que caiu para 91,4 em junho de 2022. No caso do cheque especial, a evolução foi de 13,5% para 8,6%.

Pernambuco: Proporção de famílias envidadas segundo o tipo de dívidas (% em relação ao total de famílias endividadas) – junho/2021 e junho/2022

Fonte: CNC.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here