Saiba como maus hábitos adquiridos na pandemia, podem influenciar na saúde bucal

0
Cirurgiã-dentista, Janine Perboire.

Higienização bucal é essencial para reduzir a quantidade de vírus e possivelmente diminuir sua contaminação

Todos sabem que medidas de higiene ajudam a prevenir a propagação do coronavírus. Considerando que a boca é uma das principais vias de contaminação, a sua higienização é essencial para reduzir a quantidade de vírus e possivelmente diminuir a sua disseminação. A falta de motivação, estresse, excesso de trabalho e ansiedade fizeram com que muitos relaxassem na alimentação adquirindo um comportamento indulgente, criado para aliviar as pressões desses tempos difíceis, e novos hábitos nocivos à saúde.

A boca é, portanto, uma via de contágio de grande relevância, tanto como emissora de gotículas, como receptora de vírus provenientes do contato. Ela pode ser também um reservatório para esses microrganismos. Por isso, a higienização bucal é essencial para reduzir a quantidade de vírus e possivelmente diminuir sua contaminação. “Um exemplo é o aumento do consumo de chocolate constatado desde o começo do período de distanciamento social. Pesquisas mostram sua relação com o estresse causado pelo isolamento. Sabe-se que o chocolate associado a uma má higiene bucal, pode aumentar o risco de cárie”, explica a cirurgiã-dentista, Janine Perboire.

Portanto,, a higienização correta e frequente reduz o biofilme dentário e, consequentemente, o volume de microrganismos, como bactérias, vírus e fungos presentes na boca. Doenças como cárie e gengivite podem ser evitadas por meio da escovação e uso do fio dental. Se a pessoa negligencia esses cuidados, essas doenças podem evoluir para problemas mais graves, como infecções no canal do dente, bacteremia (presença de bactérias no fluxo sanguíneo) ou, em alguns casos, para um quadro infeccioso generalizado, ou septicemia. “Ao higienizar a boca corretamente e com frequência, você reduz as bactérias que estão na boca e previne problemas sistêmicos que elas poderiam causar”, esclarece.

O hábito de roer unhas também está associado a fase de estresse e ansiedade em que estamos vivendo. Tal mania, além de aumentar a exposição à Covid-19, fragiliza os dentes e aumenta a propensão à disfunção da Articulação Temporomansibular (ATM). Casos de bruxismo, que às vezes não eram percebidos, podem ser agravados com distúrbios emocionais e psicológicos gerados pela quarentena. O bruxismo é uma disfunção involuntária e funcional que se caracteriza pelo ato de apertar ou ranger os dentes durante o sono, podendo causar desgaste, quebra ou mesmo o amolecimento dos dentes com o tempo.

Por fim, é importante lembrar que já existem estudos mostrando que uma pessoa que testou positivo para a Covid-19 apresenta alto nível de contaminação na saliva. “A higiene oral, de forma regular, é sempre fundamental, mas especialmente importante no combate à covid-19, já que pode reduzir a quantidade de vírus e, consequentemente, o risco de contágio”, conclui.

SERVIÇO:

Centro Odontológico Janine Perboire

Endereço: Rua Domingos Ferreira, 2160, SL 805 – Empresarial Business Beach

Fone: (81) 99529.5335

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here