Imortalidade da Alma – Ciência e Religião, é o artigo de Paulo Eduardo de Barros Fonseca

0
Paulo Eduardo de Barros Fonseca é vice-presidente do Conselho Curador da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Imortalidade da Alma – Ciência e Religião

Paulo Eduardo de Barros Fonseca

Muito se discute sobre a imortalidade da alma.

Desde a antiguidade, filósofos como Sócrates e Platão já proclamavam a unicidade de Deus, a imortalidade da alma e a existência de vida futura.

Na teologia, alguns defendem a unicidade existencial e que a alma sucumbe com a morte do corpo. Esse raciocínio traz como consequência a incompreensão da figura divina que, ao invés de ser bondade e justiça, teria criado um mundo de desigualdades, injustiças sociais, impunidades, favorecendo alguns em detrimento de outros.

Outros pensam que a alma é o princípio da inteligência, agente universal que cada ser absorve uma porção.

E, também, há aqueles que, como eu, creem que o espírito transcende matéria e, mesmo estando na erraticidade, persiste em sua jornada rumo ao progresso.

Nesse conceito, a alma sem corpo é o espírito liberto da matéria, de modo que a vida continua sendo o que era, obviamente, sem os contornos mesquinhos e grosseiros do plano físico em que vivemos. Alma, portanto, é o ser imaterial e individual que reside em cada pessoa e sobrevive ao corpo.

Ao refletir sobre a morte disse Santo Agostinho, um dos pais da igreja, que “a morte não é nada. Eu somente passei para o outro lado do Caminho. Eu sou eu, vocês são vocês. O que eu era para vocês, eu continuarei sendo. …”. Na mesma seara, o espírito de Joanna de Angelis ensina que “a intuição da vida, o instinto de preservação da existência, as experiências psíquicas do passado e parapsicológicas do presente atestam que a morte é um veículo de transferência do ser energético pensante, de uma fase ou estágio vibratório para outro, sem expressiva alteração estrutural de sua psicologia.”.

Essa tese ganha relevância a partir de estudos científicos que demonstram a sobrevivência da alma após a morte do corpo.  Em pesquisas recentes, desenvolvidas a partir de experimentação e de outros estudos, cientistas americanos e ingleses sustentam conceitos de alma e consciência, criando a teoria quântica da consciência, pela qual a alma está contida em pequenas estruturas no interior das células cerebrais. Sinteticamente, concluem que a alma é parte do universo e a morte um retorno a ele.

Se toda pessoa nasce, cresce, vive, cumpre sua jornada material para, finalmente, ceder à morte, o mesmo não se pode dizer da alma que, respeitada sua individualidade, segue sua jornada ininterrupta em busca do progresso, que a lei basilar do universo.

Quando discorre sobre os elementos gerais do Universo, no Livro dos Espíritos, Allan Kardec enfoca essa questão resumindo, há 160 (cento e sessenta anos), esta teoria da física moderna ao consignar a questão 27, nos seguintes termos: “Há então dois elementos gerais do Universo: a matéria e o Espírito? Sim e acima de tudo Deus, o criador, o pai de todas as coisas. Deus, espírito e matéria constituem o princípio de tudo o que existe, a trindade universal. Mas ao elemento material se tem que juntar o fluido universal, que desempenha o papel de intermediário entre o Espírito e a matéria propriamente dita, por demais grosseira para que o Espírito possa exercer ação sobre ela. Embora, de certo ponto de vista, seja lícito classificá-lo com o elemento material, ele se distingue deste por propriedades especiais. Se o fluido universal fosse positivamente matéria, razão não haveria para que também o Espírito não o fosse. Está colocado entre o Espírito e a matéria; é fluido, como a matéria, e suscetível, pelas suas inumeráveis combinações com esta e sob a ação do Espírito, de produzir a infinita variedade das coisas de que apenas conheceis uma parte mínima. Esse fluido universal, ou primitivo, ou elementar, sendo o agente de que o Espírito se utiliza, é o princípio sem o qual a matéria estaria em perpétuo estado de divisão e nunca adquiriria as qualidades que a gravidade lhe dá”.

A reflexão racional sobre esse tema, sobretudo com o auxílio da ciência, certamente implica numa mudança comportamental individual e, por consequência, coletiva, porque aquele que entende que sua alma é imortal procura pautar sua conduta segundo os ensinamentos morais exemplificados por Jesus.

Paulo Eduardo de Barros Fonseca é Vice-Presidente do Conselho Curador da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here