Problemas financeiros mais comuns entre MEIs, microempresas e pequenas empresas

0

Especialista aponta que além da gestão, é preciso que o empreendedor mude sua mentalidade

Carlos Moreira

A gestão financeira costuma ser a principal razão pela qual as empresas pedem ajuda e não é de estranhar, afinal, a saúde financeira diz muito sobre a realidade de uma empresa.

Com minha experiência atendendo junto à MORCONE Consultoria Empresarial, empresas de todos os portes, inclusive, as pequenas empresas e também procurando trazer conteúdos para os MEIs (microempreendedores individuais) e MEs (microempresas), hoje falo sobre os principais problemas financeiros que tiram o sono dos empresários.

Dentre os principais erros de gestão que prejudicam as micro e pequenas empresas, estão:

  • Mistura de finanças pessoais com as da empresa;
  • Não ter um pró-labore definido;
  • Fluxo de caixa desatualizado;
  • Registros financeiros realizados em mais de um lugar;
  • Não fazer reservas;
  • Realização de empréstimos com frequência;

Entre outros.

O início de todos os problemas financeiros

Estudo realizado pelo SEBRAE, mostrou que cerca de 23% das micro e pequenas empresas fecham as portas antes de completar cinco anos de vida. Já no caso dos MEIs, o índice chega a quase 30%.

A razão de tudo isso está na falta de planejamento e gestão financeira. E é muito frequente que quando empresas procuram ajuda, já estão em um nível de dificuldades financeiras avançado.

Então antes de entrar nos tópicos dos principais problemas financeiros, ressalto a importância de que se busque frequentemente conhecimento sobre gestão.

Há muitos métodos e ótimas instituições que oferecem cursos em variados formatos (online, presencial, híbrido, etc.) e que recomendo fortemente a todos os empresários que desejam reciclar os conhecimentos.

Principais problemas financeiros que podem gerar graves prejuízos
A seguir vou falar um pouco sobre os principais problemas que percebo com base em minha vivência como especialista consultor.

Problemas mais recorrentes entre MEIs, MEs e EPPs

Mistura da vida financeira PJ com a vida financeira da PF

Este é um problema clássico entre empreendedores. O acesso ao caixa da empresa e a falta de equilíbrio financeiro leva muitos empresários a realizarem retiradas frequentes do caixa, seja para uso individual ou da família.

Isso gera graves problemas de confusão no momento de discriminar os valores gastos.

Administração financeira pelo saldo bancário

Ao invés do empresário realizar diariamente a gestão do fluxo de caixa futuro, ele foca no saldo no banco, sem pensar nas contas que irá pagar e toma atitudes precipitadas como, por exemplo, trocar de carro e só depois percebe o erro que cometeu.

Problemas na formação de preço

O que já atendi diversas vezes foram casos de empresas cujos administradores não sabiam “na ponta do lápis” quais eram os custos, sendo assim, formam o preço com base no que é praticado no mercado e aí começa o déficit, porque não identificaram que estão com um custo maior do que os concorrentes.

Esse é um problema com raiz em não saber qual a “Margem de Contribuição” de cada produto ou serviço oferecido.

Registros financeiros em ferramentas diferentes

Contar com um único software que centralize todas as informações da empresa parece ser o caminho mais indicado, mas muitas empresas não fazem dessa forma.

O pensamento em muitos casos é o de que se não existe um grande volume de operações, então não há necessidade de centralizar informações, porém no momento de realizar o controle, o caos se instaura.

Qualquer software pode ser utilizado? Não. É preciso utilizar uma ferramenta que atenda às necessidades da empresa. Uma ferramenta que não faz o que a empresa necessita é só um desperdício de investimento!

Não há reserva financeira

Nunca se sabe quando a empresa irá enfrentar alguns períodos mais complicados e ter uma reserva financeira é muito importante. Aliás, muitas empresas na crise de Covid-19 enfrentaram problemas logo no início das medidas de segurança e lockdown por conta do despreparo financeiro ao longo de anos!

Empréstimos por impulso

Muitas empresas realizam empréstimos movidas a impulsos diante de algum problema e não fazem uma análise das melhores opções e de como poderá impactar o caixa da empresa futuramente.

Empréstimos junto a bancos podem gerar juros exorbitantes que tornam a possibilidade de quitação mais difícil.

Controle do fluxo de caixa “quando dá”

O fluxo de caixa é uma ferramenta básica e é preciso ter disciplina com essa atividade.

Há empresas que controlam o fluxo diariamente, por semana, quinzenalmente ou por mês e isso varia de acordo com a modalidade do negócio e o ritmo das movimentações financeiras.

Mas lembre-se: precisa ser uma rotina disciplinada!

Para mudar a realidade financeira, mude a sua mentalidade!

Como mencionei, a falta de conhecimento é o que antecede todos os problemas, assim como os problemas comportamentais do empresário.

Se você nunca ouviu falar em finanças comportamentais, saiba que este é um assunto importante se quer resolver os problemas de gestão financeira no seu negócio e consequentemente em sua vida.

Finanças comportamentais estudam o comportamento econômico e a tomada de decisão.

É uma área que estuda as influências cognitivas, sociais e emocionais observadas no comportamento econômico das pessoas. Não basta seguir a orientação geral de “gaste menos do que se ganha”.

Esses dois conceitos estão focados na compreensão de como algo simples não está sendo realizado pela maioria das pessoas.

Quem iniciou estudos em torno das finanças comportamentais foi o economista americano da Universidade de Chicago, Richard Thaler, no final dos anos 70, unindo a Psicologia à Economia.

Há muitos livros importantes sobre o assunto, indico um muito interessante do autor, cientista social, Dan Ariely, “Previsivelmente irracional”, recomendado como leitura obrigatória por outro autor de referência que é Nassim Nicholas Taleb, autor do clássico A lógica do Cisne Negro.

Você está por trás da sua empresa, por isso, trabalhar o seu lado emocional e procurar capacitação em gestão financeira será muito útil para o processo de restauração do seu negócio.

Carlos Moreira – Há mais de 35 anos atuando em diversas empresas nacionais e multinacionais como Manager, CEO (Diretor Presidente), CFO (Diretor Financeiro e Controladoria) e CCO (Diretor Comercial e de Marketing)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here